Dia das mães 2016!

Que mulher é essa?!

Que mulher é essa, de pernas torneadas, quadril largo e seios fartos?
As pernas são as que ficam em pé a noite, ninando o menino com cólicas, que não quer dormir.
O quadril é o aconchego do menino de 8 anos que chega em casa chorando, buscando o calor e aconchego da mãe.
Os seios são os que trazem o alimento vital. Único necessário à saúde do bebê.
O mesmo quadril se espreme no metrô e no ônibus e no metrô lotado de manhã.
Depois de deixar a cria na escola, viajar algumas horas na ida e na volta para levar o sustento pra casa.
Essa mulher é aquela que não passa um dia sem pensar que podia dar mais atenção ao seu filho.

Que mulher é essa, de rosto sofrido e olheiras profundas?
O rosto é daquela mulher que cansou de apanhar.
As olheiras são da mãe preocupada, pois a porta não tranca e o chaveiro não veio. Não sobrou dinheiro pra chamar.
Essa mãe mora em um bairro perigoso e vive se perguntando:
Será que alguém vai entrar? Será que meu filho está bem?
Ah… se um mosquito que for encostar nele, vai se ver comigo.
Toda noite antes de dormir, ela faz a sua prece, sem saber muito bem pra quem, esperando apenas que um dia tudo passe.
O sono é leve. Pois se ele acordar à noite, ela é a única que levanta para cuida-lo.
Onde está o pai? Não sei. Também não importa.
Assim ela vai seguindo… cultivando as olheiras, melhorando seu rosto e ensinando para o filho tudo que é certo e bom, pois pode faltar muita coisa, mas amor de mãe não lhe falta!

Que mulher é essa que nãos e cuida, meu Deus?!
Aquela que abre mão do cabeleireiro por um tênis do filho. Essa mesma que abre mão da carreira e apoia o marido.
E aos poucos vai perdendo as amigas, os passeios, os papos…
Mas sabe de cor todas as músicas da galinha pintadinha. Todas as falas do desenho preferido.
Essa mãe vai ao mercado, com o filho impecável e a camiseta rasgada.
O que importa não é ela, mas ele.
E manda às favas as amigas feministas e todas aquelas que acham que ela está errada.
Pouco importa o que vocês acham. O que ela quer é ser a melhor mãe do mundo.
E esse emprego, com certeza ela tem.

Ah… mas que mulher é essa que não gera o próprio filho?!
É uma mulher com um amor tão grande no peito, que não cabe lá dentro. Tem que sair.
Esse sair é em forma de adoção. E o filho do coração esta lá, junto com ela.
Não importa a cor, a idade, a raça ou o sexo.
Sempre será o seu filho. Nas broncas, nas brigas, no cuidado, no carinho.

Podia ficar horas e horas, falando de vários e vários tipos de mãe!
Mas esse blog não é sobre pais?
Sim, é sobre pais. Mas como ser pai se não houvesse uma mãe?

Aqui fica a minha homenagem a todas as mães. Solteiras, casadas, divorciadas, independentes, donas de casa ou que trabalham fora. Não importa o seu tipo de mãe! Todas merecem nossa homenagem!

Feliz dia das mães!

Confira a versão em vídeo no Youtube:

Comente com sua conta do Facebook